Cães e gatos são os animais mais atingidos pela obesidade, que é uma doença que se dá pelo excesso de gordura que leva o animal ao sobrepeso e obesidade. Atualmente entre 25% a 40% dos animais adultos se enquadram em obesidade e sobrepeso. Saber identificar se seu pet está obeso é de suma importância para que se inicie o quanto antes o tratamento, porém o correto é prevenir. Saiba como a seguir.

O que causa a obesidade dos pets?

Uma das principais causas de obesidade em animais domésticos é a alimentação incorreta e o sedentarismo, mas não podemos deixar de levar em consideração condições genéticas e hormonais.

Sedentarismo – O sedentarismo em cães e gatos domésticos está totalmente ligado ao sedentarismo de seus tutores, algumas pesquisas recentes têm apresentado o resultado que em lares com tutores sedentários a incidência de animais obesos é maior. A falta de exercícios físicos afetam os animais assim como aos seres humanos, portanto é essencial passear, caminhar, ou no mínimo estimular brincadeiras mesmo que dentro de casa para queimar a energia que se acumula na ingestão de alimentos muitas vezes em excesso e que fogem da dieta ideal aos pets.

Alimentação incorreta e excessiva – Tutores admitem que “às vezes” oferecem restos de alimentos da mesa aos animais, porém de acordo com a incidência de sobrepeso e obesidade sabe-se que “às vezes” não condiz com a verdade, sendo oferecido aos pets alimentos incorretos diariamente. Petiscos, carnes gordurosas, alimentos embutidos são extremamente perigosos e devem ser evitados por completo. O organismo dos pets não sintetiza as substâncias presentes nesse tipo de alimento, o que ocasionalmente pode acarretar em infecções gastrointestinais. Sem contar que esses alimentos possuem alto teor de sódio e gorduras que em conjunto com o sedentarismo levam os animais a adoecer com sobrepeso ou obesidade. Em hipótese alguma ofereça alimentação inadequada aos animais de estimação. Isso é para o bem estar deles.

Castração – Quando o animal é castrado ele tem uma alteração comportamental que está diretamente ligado a retirada dos órgãos responsáveis pelos hormônios reprodutivos e causam uma mudança notável no metabolismo do animal. Pets que antes da castração eram ativos tornam-se mais calmos e relaxados ao longo dos dias, sendo necessário estimular atividades que queimam energia e mantêm os animais saudáveis. A castração realizada em animais adultos está mais relacionada com o ganho de peso do que a castração quando realizada antes da puberdade.

Problemas hormonais – Se um animal relativamente dentro do peso apresentar sobrepeso repentinamente é muito provável que ele esteja com alguma doença endócrina como hipotireoidismo que causa desordem hormonal. A tireoide é uma glândula responsável por regular algumas funções corporais como o metabolismo. Quando esta glândula está afetada tudo que o animal ingere fica aglomerado levando ao sobrepeso e obesidade.
Algumas raças são mais propensas à obesidade do que outras, mas isso não descarta a possibilidade de outras raças e até mesmo animais sem raça sofrerem com obesidade também.

A obesidade por se tratar de uma doença que pode ser ocasionada de diversas maneiras, é ideal que o pet seja acompanhado por um médico-veterinário para identificar a causa real e iniciar o quanto antes o tratamento adequado.

Riscos relacionados à obesidade

A obesidade do pet compromete a qualidade de vida, pode acarretar diversas doenças e piorar algumas já pré-existentes e interfere diretamente na redução da expectativa de vida do animal.

Algumas doenças estão ligadas diretamente a obesidade do animal e merecem atenção, são elas:

  • Diabetes
  • Problemas respiratórios e cardíacos
  • Problemas nas articulações
  • Doenças dermatológicas
  • Doenças gastrointestinais
  • Problemas reprodutivos
  • Estresse térmico
  • Hiperlipidemia
  • Neoplasia

Vale destacar também que a obesidade está diretamente ligada a maiores riscos durante cirurgias, pois devido ao peso fora do padrão é necessário aplicar uma dosagem maior de anestesia, o que não é bom para saúde do pet. Durante a cirurgia é necessário que o médico-veterinário observe alguns órgãos relacionados, como por exemplo, rins, fígado, coração etc que ficam pressionados devido ao excesso de gordura e interferem no desempenho da cirurgia.

Redução na expectativa de vida

Quanto maior o sobrepeso do pet menor será a expectativa de vida dele. A influência da obesidade pode reduzir a vida do pet em cerca de dois anos.

Como identificar se meu pet está obeso?

Alguns sinais de obesidade podem ser notados através de alterações comportamentais como desânimo de correr atrás da bola pelos cães e deixar de se higienizar lambendo os pelos por gatos. Isso acontece porque as atividades que requerem esforços passam a ser evitadas por eles pois se sentem cansados ao realizá-las.

Nem sempre o tutor ligará essas alterações comportamentais à obesidade, portanto é ideal manter o check-up periódico. Nessas consultas, cães e gatos são avaliados através do exame ECC (Escore de Condição Corporal). Esse exame avalia as características corporais do pet que são classificados com resultados escalonados de 1 a 9.

A divisão do ECC é:

1 a 3 – costelas e ossos do quadril estão visíveis, o pet está abaixo do peso.

4 a 6 – costelas e ossos são pouco ou nada visíveis porém é possível senti-los através do toque, peso adequado.

7 a 9 – costelas não visíveis e difíceis de sentir tocando-às, considerado acima do peso.

Esse exame só tem validade quando realizado por um médico veterinário pois ele analisa o escore e o histórico do pet concomitantemente.

Como tratar a obesidade do pet?

O médico veterinário indicará qual tratamento ideal para atingir resultados satisfatórios, restabelecendo a saúde e o bem estar do pet.

Para reduzir o peso, efetivamente, o animal deverá perder somente a massa excessiva mantendo a massa magra. É recomendado retirar a gordura das dietas de forma a reduzir a densidade das calorias. As gorduras têm o dobro de calorias por grama se comparados com proteínas e carboidratos.

O correto é perder somente a gordura mantendo a massa muscular, vitaminas e minerais. As dietas para perda de peso em cães e gatos devem manter um teor de fibras maior minimizando a sensação de fome.

Além de inserir a nova dieta é necessário iniciar a prática de exercícios com o pet para auxiliar o condicionamento físico.

Como prevenir a obesidade em pets?

A prevenção deve começar com o animal ainda filhote logo na primeira consulta com o médico veterinário. O tutor será instruído a identificar a condição corpórea, pesá-lo sempre e corrigir a alimentação quando necessário.

Evite ao máximo deixar seu pet em volta da mesa na hora das refeições para não ceder aos pedidos do pet por alimentos quando veem seus tutores degustando comidas tão cheirosas e suculentas, porém que causam muitos males a eles.

Mantenha hábitos regulares de exercícios físicos e brincadeiras para que o pet não seja sedentário.

Consulte seu peludo regularmente com seu médico veterinário de confiança.

Fonte: HPMV– Hospital Popular de medicina veterinária

Leave a comment