É sabido por todos que fogos de artifício e pets não combinam, mesmo aqueles que não têm medo também não amam os barulhos assustadores dos fogos, principalmente no réveillon que são consecutivos e muitos ao mesmo tempo. Quem tem pet já deve ter acompanhado a reação deles durante as comemorações que envolvem fogos! Vamos falar a respeito desse tema tão discutido nessa época do ano, acompanhe a seguir.

É muito comum cães terem medo de fogos e barulhos estrondosos como trovões, em época de réveillon, carnaval e finais de campeonatos eles se desesperam e muitas vezes acabam se machucando tentando fugir, caindo de sacadas, às vezes até conseguem de fato fugir e nunca mais são encontrados por seus tutores.

Cachorros escutam 4 vezes mais que os seres humanos, então imagine a altura do som que adentra aos ouvidos deles durante uma queima de fogos.

Afinal de contas, fogos de artifício são proibidos?

Essa questão gera muito debate. Segundo o site da câmara legislativa, a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável aprovou o Projeto de Lei 6881/17 que proíbe o uso de fogos de artifício com estampido ou estouro. A proibição vale para áreas públicas e privadas, abertas ou fechadas. Fonte: Agência Câmara de Notícias 29/03/2019.

Porém, desde a aprovação desse projeto já houve dois réveillon e os fogos continuam tendo estampido e/ou estouro, ou seja, fazendo barulho, muito barulho. Esses barulhos apavoram os animais e pessoas com transtorno de espectro do autismo, entre outros. Sendo assim, não podemos esperar que essa lei seja respeitada.

O que acontece com os cães que têm medo?

Em situações de medo extremo, mesmo cães adestrados tendem a tomar atitudes desesperadas, alguns se escondem embaixo das camas, outros tentam fugir desesperadamente em busca de locais onde o som assustador não os alcance, em determinados casos mais graves eles chegam a uivar e babar como se tivessem convulsionando.

O que os donos podem fazer para proteger os pets?

A atuação do tutor junto ao pet nesse momento é de suma importância, algumas coisas podem ser feitas para amenizar o sofrimento do peludo nesses momentos, separamos algumas dicas para orientá-los:

  • Não deixe o animal preso em correntes, pois o medo pode fazê-los se machucar gravemente tentando fugir e se enrolar na corrente provocando enforcamento.
  • Não deixe o animal sozinho, esteja perto, a presença do tutor vai acalmar um pouco o cão.
  • Ligue a TV ou uma música relaxante.
  • Mantenha portas e portões fechados para evitar uma fuga.
  • Não deixe o pet trancado em um cômodo sozinho, a sensação de prisão piora e muito o quadro de pânico.
  • Trabalhe o medo do cão colocando sons de fogos em volume baixo para ele ouvir diariamente, aos poucos ele se familiariza. Aumente o volume gradativamente. Na hora da queima de fogos ele deverá demonstrar um pouco menos de medo ou talvez nenhum.
  • Use a técnica chamada Tellington Touch, é uma técnica criada por uma especialista comportamental canadense, que equivale a enrolar um pano no corpo do pet que ajuda a minimizar o estresse. Importante ressaltar que o pet não deve ficar sozinho, pois na hora do medo ele pode se desesperar, correr e o tecido ficar enroscado em algum lugar causando acidente.
  • Utilização de florais, converse com o veterinário que indicará um floral indicado, florais não têm contraindicações.
  • Use petiscos e brinquedos para distrair o pet durante a queima de fogos.

Essas dicas são valiosas e devem surtir efeito positivo tranquilizando ou no mínimo amenizando o medo do seu pet. Em casos mais graves, procure auxílio do seu veterinário de confiança que poderá receitar calmante. Jamais dê remédios ao seu pet sem indicação profissional.

Fonte: Patas da Casa

Veja também: Cuidados com os pets nas festas de final de ano

Leave a comment