A hora do banho no pet é sempre um momento controverso. Há animais que adoram, há outros que não são nada chegados. Os que gostam e os que não gostam, têm de tomar banho. A higienização está diretamente ligada a saúde, bem-estar e a longevidade do pet.

É importante ressaltar que os gatos devem tomar banho sim. Alguns felinos como os Angorá gostam de água e a hora do banho é sempre muito bem recebida, porém outros são bem resistentes a esse momento, e o melhor a se fazer nesses casos é diminuir a frequência dessa higienização evitando o estresse no animal.

O número de tutores que optou por banhar seus pets em casa aumentou muito nos dois últimos anos, alguns pesquisadores apontam esse índice como já sendo esperado devido à pandemia. Não importa o motivo que leva o tutor a optar por higienizar seu pet em casa, o que importa mesmo é que ele seja higienizado de maneira correta. Separamos a seguir algumas dicas que podem ajudar nesse processo.

Porque dar banho nos pets?

O banho é um cuidado essencial. A frequência com que o banho acontece pode variar, mas nunca se extinguir. A higienização completa que o banho oferece está totalmente ligada à saúde e ao bem-estar do pet.

Através do banho a pelagem fica limpa, reduz a oleosidade, se fortalece e ganha brilho, sem contar o cheirinho agradável do pet após o banho. Alguns shampoos utilizados no banho tem a especialidade de evitar parasitas (carrapatos e pulgas), ativar o crescimento dos pelos, etc.

Sem contar que o processo de esfregar e espalhar a espuma pelo corpo do pet reduz resíduos de pelos e pele morta dando ares de limpeza e renovação.

Como dar banho no pet em casa?

Busque um local adequado para banhar o pet e verifique se não é escorregadio, caso seja providencie um tapete antiderrapante. É importante verificar a temperatura da água, mesmo em dias mais quentes, é ideal que seja morna. Preferencialmente em locais fechados no inverno e em dias mais frescos, evitando assim correntes de ar diretamente no pet.

Cuidados e passo a passo:

Comece molhando o animal pelas patinhas e pés para que a temperatura do corpo se acostume com a água e evite um choque térmico. Depois vá molhando o corpo até chegar à cabeça, sendo indicado o uso de shampoos que não irritem os olhos. Não podemos esquecer de proteger os ouvidos do pet com algodão para que água nem a espuma adentre.

Nesse momento em que você está ensaboando o peludo aproveite para averiguar a presença de algum nódulo, machucado ou de carrapatos e pulgas. Há shampoos específicos para controle de parasitas.

É preciso verificar se o seu pet não tem alergia a algum produto utilizado a hora do banho, a pele deles é sensível e quando alérgica tende a coçar muito. Observe as fitas utilizadas para segurar o algodão no ouvido, as fragrâncias do shampoo e perfumes caso utilize.

Após finalizar o processo de lavagem, é hora de secar o pet. Alguns animais reagem bem a secadores de cabelo comum, outros se sentem incomodados com o barulho sendo indicado nesses casos secadores sem ruídos. Em locais mais quentes o uso de uma toalha para absorção funciona bem. É importante secar bem as patinhas e entre os dedos para não ficarem úmidos gerando bactérias e fungos.

Lembre de retirar o algodão utilizado para proteção, aproveitando a deixa, use o dedo indicador e com algodão limpe os ouvidos por dentro, devagar e levemente para não machucar. Tem alguns produtos indicados para auxiliar na higienização auditiva.

Qual a frequência indicada para banhos?

A periodicidade dos banhos está diretamente ligada à raça, porte do animal, tipo de pelagem e algumas outras coisas que devem ser levadas em conta como dermatite, alergias, micoses, etc. Se você é um tutor que optou por banhar seu pet em casa, peça orientação ao seu veterinário de confiança sobre a frequência ideal para o seu pet.

Vale lembrar que intervalos menores que uma semana não são recomendados por especialistas.

Banhos em excesso podem causar alguns males:

  • Remove a oleosidade da pele deixando-a mais vulnerável a doenças dermatológicas.
  • Acumula umidade entre pelos e pele proliferando micro-organismos e bactérias que fazem mal ao pet.
  • Redução da imunidade, principalmente em dias frios.

Destaque para exceções nos casos em que o pet está passando por algum tratamento que seja recomendado os intervalos menores sob acompanhamento do médico-veterinário.

Pronto agora que você já sabe como dar banho no seu pet, bora deixar ele cheirosinho.

Leave a comment