Sim é real, existe e atinge muitos cães. A depressão em animais é uma das causas que levam os tutores a buscar auxílio médico-veterinário. Cães assim como humanos têm problemas psicológicos como ansiedade, estresse e depressão. Esse é um assunto delicado que precisa ser levado a sério. Saiba prevenir, identificar e tratar.

A depressão e demais problemas psicológicos são comuns em pets, mais do que podemos imaginar. Animais têm sim, sentimentos e emoções, portanto podem desenvolver quadros depressivos por diversas causas. Todavia, estar bem informado a respeito dos sintomas e possíveis motivos ajudará muito o tutor que estiver passando por um quadro depressivo em seu cão.

Quais as causas da depressão canina?

Segundo uma Universidade de Pesquisas no Reino Unido que observou cães e seus comportamentos, por um determinado tempo, concluíram que sim, esse tipo de enfermidade psicológica afeta os animais, desmistificando que a depressão canina era “manha” do pet. As causas, assim como em humanos, podem ser múltiplas dependendo do grau em que o acontecimento afeta o cão.

A depressão é uma doença silenciosa que normalmente demora a ser percebida. Os sintomas que serão apresentados a seguir precisam ser observados em seu pet. Caso ele apresente um ou mais sintomas citados abaixo, busque ajuda especializada.

  • Morte de um pessoa querida, do tutor ou animal de convivência – essa perda pode estar diretamente ligada a depressão, animais costumam reagir mal a perda de pessoas e a outros animais de convivência diária ou frequente.
  • Chegada de um novo pet ou bebezinho na casa – a chegada de um novo membro na família que desperte atenção em todos, pode ser outro motivo evidente da depressão canina, eles ficam incomodados, inseguros e amedrontados achando que podem perder o lugar na família/casa.
  • Redução de espaço – viver em um espaço pequeno, apertado onde o pet não consegue brincar ou desenvolver uma atividade física básica, pode ser bem desgastante ao animal.
  • Traumas – um acidente, uma cirurgia, internações mais longas, podem afetar o psicológico do cão levando ao estado depressivo.
  • Sensação de abandono – Tutores que passam muito tempo viajando ou fora de casa diariamente por muitas horas quase não encontram tempo e disposição para interagir com o pet deixando-os tristonhos e solitários.
  • Mudança de residência – essa mudança pode deixar os animais abatidos principalmente se saírem de um local espaçoso para um local menor.

Alguns animais passam pelos acontecimentos citados acima e ficam cabisbaixos por um ou dois dias voltando às atividades corriqueiras normalmente, já outros pets permanecem nesse estado de abatimento por mais tempo e gradativamente vão sendo acometidos pela depressão. Saber identificar os sintomas de modo a buscar ajuda, é de suma importância.

Como saber se o meu cão está depressivo, quais os sintomas?

A depressão será notada através das variações comportamentais e de humor.
Quando o pet está depressivo ele tende a apresentar um ou mais sintomas da lista abaixo, observe:

  • Perda do apetite – seu cão se alimentava bem e repentinamente passa a recusar as refeições ou se alimenta de uma quantidade bem menor.
  • Desinteresse – o pet demonstra apatia, está sempre com olhos tristes, não se sente mais animado para brincar nem demonstra interesse em seus brinquedos e petiscos.
  • Resistência ao toque – rejeita o carinho do tutor e demais pessoas que tentam aproximação, em alguns casos reagem com agressividade.
  • Sonolência e cansaço – o cão passa a maior parte do tempo deitado como se estivesse muito cansado ou sonolento.

Em alguns casos o pet pode apresentar sinais de automutilação como mordidas pelo corpo ou lamber demais as patas, rabo e extremidades corpóreas

Como tratar a depressão revertendo o quadro?

O primeiro passo ao identificar um ou mais sintomas depressivos em seu pet é procurar acompanhamento profissional que fará uma análise minuciosa descartando os sintomas como sendo ocasionais de outras doenças. Sendo descartadas outras doenças e depois de alguns exames laboratoriais o diagnóstico é confirmado e o tratamento iniciado.

Este tratamento consiste em mudar os hábitos do pet baseados no motivo que levou o peludo à depressão. Um exemplo é a perda de um animal querido de convivência, pode ser indicado passear com o cão para socializar com outros animais. Se o motivo for o espaço reduzido limitando demais o animal a indicação é trocá-lo de ambiente e assim sucessivamente.

Pode ser indicado o uso de florais, homeopáticos, antidepressivos e afins, todos receitados por profissionais especificamente para o quadro depressivo que o pet apresenta. Terapias com profissionais especializados em comportamentos caninos podem ser utilizadas para descobrir os motivos reais da depressão iniciando assim o tratamento psicológico do pet.

É possível prevenir a depressão canina, como?

Algumas atitudes simples que proporcionam ao pet bem-estar e uma vida agradável estão totalmente atreladas a prevenção da depressão canina. Essas medidas devem ser mantidas por muitos motivos, e a depressão é um deles. Seguem as dicas:

  • Manter o cão em um ambiente relativamente espaçoso para que ele possa brincar e se movimentar com facilidade.
  • Cuidar da higiene do local onde ele vive, mantendo sempre água fresca e limpa.
  • Alimentar o cão para mantê-lo satisfeito e sem fome de acordo com a dieta dele.
  • Caso ele passe muito tempo sozinho presenteie com brinquedos alegres e divertidos para fazer companhia a ele.
  • Passear e manter atividades físicas para que o cão veja a rua e interaja com outros cães e pessoas.
  • Ser amável e carinhoso mostrando ao pet o quanto ele é especial.
  • Manter os check-ups em dia, assim como as vacinas e vermifugação.
  • Cuidar da tosa banho e controle de parasitas.

Um cão bem cuidado, com uma rotina adequada tem as chances reduzidas em 80% de ter depressão. Salvo casos em que o animal perde uma pessoa ou animalzinho querido que infelizmente não pode ser previsto e evitado.

A depressão canina é similar à humana?

Os cães são seres sencientes (com sentimentos), portanto podem apresentar depressão como os humanos sim. As causas são distintas porque a vida de um humano não é igual a de um cachorro, mas as reações são bem parecidas. Alguns exemplos a seguir:

  • Apresenta quadro de depressão ao perder um ente/animalzinho querido.
  • Ao ter que mudar de casa repentinamente.
  • Quadros depressivos por causa da chegada de um novo membro na família demonstrando ciúmes e insegurança.

Todas essas reações são exatamente iguais e esperadas, dadas as situações, portanto humanos tem sim, semelhança em alguns casos depressivos com os cães.
Embora as rotinas entre humanos e cães sejam diferenciadas, as reações a alguns acontecimentos são similares, como um trauma pós acidente que pode causar depressão em um humano e também em um cão. Independente do gatilho que levou o pet ao quadro depressivo, o importante é identificar a doença e tratá-la trazendo o viço e a alegria ao pet novamente.

Contudo previna, mantenha a rotina adequada e atenção redobrada aos sintomas e seus motivos, saiba identificar precocemente possíveis quadros depressivos de seu pet. Converse sempre com seu veterinário.

Leave a comment