Você pretende adotar um novo baby peludinho e vislumbra momentos de alegria e fofura, não é mesmo? Mas não se esqueça que se sua casa já tem outros animais é importante saber inserir o novo membro à família para que a recepção seja mais agradável e branda. Animais tendem a ser ciumentos e em alguns casos chegam a brigar entre si pela atenção dos tutores e demarcação de território.

É importante saber quais as possíveis reações que seu cão mais velho poderá apresentar e como lidar com elas. Alguns tutores gostam tanto de seus animaizinhos que planejam adotar um segundo cão para ser companheiro do atual pet, dividindo alegrias, brincadeiras e noites de frios juntos e bem quentinhos. Porém, é necessário considerar que o animal mais “antigo” da casa poderá expressar alguma objeção com a chegada do novo amigo, apresentando ares de tristeza e recusa. A seguir vamos abordar algumas maneiras fáceis de tornar essa chegada mais tranquila e prazerosa a todos os envolvidos.

Como inserir um novo cão?

A inserção de um novo pet é uma decisão que precisa ser tomada após uma avaliação sensata considerando gastos, responsabilidades e necessidades que um novo pet requer. No caso da inserção de um segundo cão é importante preparar o “território” minimizando possíveis contratempos que possam surgir.

Seguem algumas dicas úteis:

  • Adquira e espalhe por toda a casa difusores e aromatizadores de ambiente utilizando feromônios sintéticos que acalmam os animais através da substância que passa a mensagem de tranquilidade. Animais captam e absorvem informações sensoriais através do olfato.
  • Cada animal deverá ter seus itens separadamente, potes de água e ração, camas e cobertas individuais.
  • Aumente o número de caixas de coleta e tapetes higiênicos, pois certamente o novo pet levará alguns dias para entrar na rotina da casa.
  • Um portão específico para separar os animais inicialmente pode ser bacana, de maneira que eles possam se ver e sentir o cheirinho um do outro, mas caso iniciem uma “briga” estejam separados para evitar maiores danos.

Outra dica bacana é passear com eles, cada um com sua guia, e colocá-los próximos um ao outro em local neutro, para que eles se conheçam fora do habitat, pois isso pode facilitar a amizade entre eles. Suponha que o cão mais velho vá conhecer o filhote e pensar: “olha que legal esse pequeno pet, imagine ele em minha casa brincando comigo”.

Ao contrário de quando introduzimos o novato logo de cara no “território” do cão mais velho, que pode reagir de modo áspero em defesa de seu espaço, sua casa e sua família, afinal ter um estranho em seu lar pode não ser nada agradável.

Socialize com eles de maneira gradativa. Comece com o contato visual permitindo que eles se olhem, essa será a hora do cão mais velho absorver a ideia de um novo membro na família, isso pode ser feito através de uma porta de vidro ou pela janela.

Numa próxima tentativa de aproximação utilize o portão já citado acima, onde eles possam se ver e manter o contato olfativo entre eles que é de suma importância para os animais. Nesse momento eles se cheiram como se estivessem se apresentando, se reconhecendo. É normal e faz parte do processo.

Agora é hora de deixá-los no mesmo ambiente sem nenhuma barreira, cada um com uma guia, deixe que eles se aproximem devagar mantendo o controle da situação. Por fim, deixe-os completamente livres para interação sob supervisão do tutor ao primeiro momento.

Quando o cão anfitrião se mostrar calmo, com uma aparência de relaxamento, elogie ele, faça carinho. Dirija-se sempre aos dois, ao mais velho e ao filhote, nunca deixe que o animal mais velho sinta-se rejeitado por ter um novo pet na família, essa união entre os cães e os tutores ajudará muito.

Quanto tempo um cachorro demora para se acostumar com outro?

A aproximação deve acontecer aos poucos para que seja tranquila e positiva. É importante não forçar “a barra”. Os animais estressados tendem a reagir mal, não necessariamente com violência, mas com rejeição e até quadros de desconforto e perda de apetite.

A aceitação pode acontecer em algumas horas ou levar dias, isso varia muito de animal para animal, pois cada um tem seu temperamento. Tenha paciência e mantenha a supervisão até eles estarem totalmente em harmonia.

Inicialmente o cão mais antigo pode evitar o filhote e até se esconder dele, mas isso vai atenuar aos poucos. Seja inclusivo, brinque com os dois, demonstre carinho por ambos, essas associações positivas através de brincadeiras, recompensas comestíveis e atenção dão muito certo.

Porque alguns cães não aceitam outro pet de início?

Essa rejeição é comum e está dentro do esperado. O animal mais velho sente-se inseguro e incomodado, afinal sua rotina teve uma mudança brusca e repentina. Além de surpreendido, ele agora terá que dividir o espaço e a atenção dos tutores. Em determinados momentos o cão mais velho pode ter um comportamento diferente, até desajeitado, ele está demonstrando ciúmes principalmente na presença do filhote.

Não repreenda o cão mais velho por alguma atitude que ele tenha para chamar atenção. É importante que ele saiba que a chegada do filhote vai alegrar a vida de todos, inclusive a dele. Demonstre que eles são amigos e companheiros. Desperte o interesse no mais velho em acolher o filhote fazendo com que ele se sinta importante tal qual o recém-chegado.

O que fazer quando o cão mais velho não aceita o novato e reage com brigas?

É necessário saber diferenciar brincadeiras e brigas, pois algumas brincadeiras entre eles são grosseiras e chegamos a pensar que eles estão brigando, mas não estão. Para discernir entre brincadeira e briga observe a postura corporal, os grunhidos e a pelagem que normalmente se levanta em casos de ferocidade, essas podem ser demonstrações de que uma briga está para se iniciar, separe os peludos imediatamente para evitar que eles se machuquem principalmente se forem diferentes em tamanho, peso e força.

As brigas entre cães são difíceis de separar, e quase sempre um ou ambos saem lesionados sem contar o tutor que se fere ao tentar interferir. É indicado utilizar um jato de ar Pet Corrector que apresenta resultados positivos.

Em alguns casos essa rejeição acontece somente de início. Todavia, pode ser que o pet mais velho não aceite de maneira nenhuma o mais novo, assim é indicado a ajuda de um profissional que avalie o comportamento de ambos e apresente um relatório sobre as melhor decisão a ser tomada, podendo esta ser a devolução do cão filhote para evitar transtornos e desgaste emocional nos animais e nos demais membros da família.

A presença de um adestrador pode ser bem-vinda e bem sucedida nessas ocasiões.

O que é melhor: mesmo sexo e mesma raça?

Cães do mesmo sexo tendem a se aceitarem menos e brigarem mais. Macho com macho e fêmea com fêmea apresentam maior dificuldade em receber o novato. Caso você tenha um macho e decida receber uma fêmea, ou vice-versa, o ideal é providenciar a castração com antecedência, se não estiver nos planos da família ter uma gestação.

Raças iguais têm maior aceitação e receptividade positiva, destacando que isso não é uma regra e como tudo, há exceções.

Quanto maior o número de cães em sua casa, mais difícil será a receptividade com o novo pet e mesmo após a adaptação, mantê-los sempre em harmonia é quase impossível, assim como os seres humanos, os animais também tem variação comportamental e de atitudes. O ideal é separá-los quando um deles estiver mais agitado e estressado. Após a situação se apaziguar eles deverão voltar ao convívio.

Agora que você já sabe quais as possíveis reações e como lidar com elas, receba seu novo pet com muito carinho e atenção, sem esquecer que o anfitrião não vai abrir mão do colo e chamego do tutor também. Redobre seu estoque de afeto.

Veja também: Como cuidar de cães e gatos filhotes?

Leave a comment